19 de maio de 2020// 11:00
Abrantes a ler: leitura, identidade e cidadania. Com base no livro Histórias de ir à bola, de José Jorge Letria (escritor) e Joana Quental (ilustradora), da editora Ambar.

 

Atividade de promoção do livro e da leitura dinamizada por Sílvia Rodrigues e Carla Ribeiro, animadoras na Biblioteca Municipal António Botto, em Abrantes.

Pretende-se a promoção de valores de cidadania ativa e de reforço da identidade, através da leitura, ao mesmo tempo sensibilizando para uma mudança de comportamentos e atitudes. Com o texto literário como ponto de partida ou de chegada, cruza-se a leitura com outras formas de expressão, através de ateliês diversos, para o exercício de uma cidadania consciente e informada face às problemáticas atuais.


Histórias de ir à bola 

Em pequenas narrativas, construídas a partir de um discurso muito acessível, repletas de humor e de vocábulos resgatados à gíria futebolística, as surpresas sucedem-se: um árbitro que engole um apito; um cão chamado Pelé que marca um golo; um torneio organizado por Anjos e Diabos; e ainda, um célebre almoço entre uma Águia, um Leão e um Dragão, indignados com a forma abusiva como eram usados nos emblemas de três clubes. Estas divertidas histórias sobre futebol, nove no total, são uma forma de partilhar momentos únicos com os amigos e os mais crescidos. Aqui o humor é rei. A bola, o apito do árbitro e até os animais que servem de símbolo a alguns grandes clubes aparecem como personagens principais. Neste livro, todos participamos no torneio da boa disposição e na festa do futebol, aprendendo também coisas mais sérias com o riso de uma grande jornada.

 
José Jorge Letria
Ficcionista, mas também jornalista, poeta, dramaturgo. Nasceu em Cascais, em 1951, onde foi vereador da Cultura entre 1994 e 2002. Tem livros traduzidos em mais de uma dezena de idiomas e foi premiado em Portugal e no estrangeiro, destacando-se dois Grandes Prémios da APE, o Prémio Aula de Poesia de Barcelona, o Prémio Internacional UNESCO, o Prémio Eça de Queiroz – Município de Lisboa e o Prémio da Associação Paulista de Críticos de Arte. O essencial da sua obra poética encontra-se condensado nos dois volumes da antologia O Fantasma da Obra. Ao lado de nomes como José Afonso e Adriano Correia de Oliveira, foi um dos mais destacados cantores políticos portugueses, tendo sido agraciado, em 1997, com a Ordem da Liberdade. É mestre em Estudos da Paz e da Guerra nas Novas Relações Internacionais pela Universidade Autónoma de Lisboa e pós-graduado em Jornalismo Internacional. Doutorou-se com distinção em Ciências da Comunicação no ISCTE, em Setembro de 2017. É presidente da Sociedade Portuguesa de Autores e do Comité Europeu de Sociedades de Autores da CISAC. É coautor, com José Fanha, de várias antologias de poesia portuguesa.


Joana Quental
Designer, ilustradora e docente na Universidade de Aveiro. É licenciada em Design de Comunicação e mestre em Arte Multimédia. Concluiu em 2009 o doutoramento com a tese “A Ilustração enquanto processo e pensamento. Autoria e interpretação”. Tem participado em conferências, seminários e exposições. Em 1997, recebeu uma Menção Honrosa no Concurso Nacional de Ilustração Infantil promovido pelo IPLB e IBBY, e em 2012, o 1º Prémio para Cartaz para o ano pastoral 2012 (Santuário de Fátima). Enquanto designer e ilustradora, desenvolveu trabalhos com as editoras Campo das Letras, Porto Editora e Zero a Oito. Atualmente, tem como principal interesse de investigação a comunicação da saúde às crianças, recorrendo à ilustração.


Neste sítio são utilizados cookies de forma a melhorar o desenpenho e a experiência do utilizador. Ao navegar no nosso sítio estará a concordar com a sua utilização. Para saber mais sobre cookies, consulte a nossa politica de privacidade.