Ler os nossos com José-Alberto Marques

Apresentação do livro NarrativYLírica, por Francisco Lopes e José Alves Jana


José-Alberto Marques
Natural de Torres Novas, José-Alberto Marques (1939-) frequentou a Licenciatura em Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Obrigado a abandonar os estudos por razões económicas, exerceu diversas profissões ao mesmo tempo que fazia o Curso de História. Radicado em Abrantes desde a década de 1960, foi professor efetivo de Português na Escola D. Miguel de Almeida. Das diversas atividades de intervenção cultural e artística, destaque-se participação no segundo número da revista Poesia Experimental (1966), Operação 1 (1967) e na Conferência-Objeto (Galeria Quadrante, 1967). Recebeu o 1º Prémio Nacional de Literatura Infantojuvenil nas comemorações dos 20 anos do 25 de Abril, com o livro A Magia dos Sinais (1996). Em 1996 recebeu a medalha da cidade de Abrantes.

Ligada ao movimento da poesia experimental portuguesa desde as suas primeiras manifestações no final de década de 50, a obra de José-Alberto Marques alia a experimentação fonossemântica e grafossemântica a um lirismo autobiográfico e uma aguda consciência social e política. O quotidiano pessoal surge reenviado ao espaço social coletivo e a insistente presença de um e de outro são reflexivamente interrogadas pela materialidade da língua e da escrita. Estas são, por vezes, objeto de operações de fragmentação e constelação gráfica, mas também de experimentação narrativa. 

 
NarrativYLírica
O candidato a presidente da república é assassinado, após exercer o seu direito de voto. O filho segue uma carreira política, de presidente de câmara a deputado, enquanto tenta desvendar o mistério do pai, mas não consegue os seus intentos. No “corpus” literário as personagens principais são variadas. Desde o Cónego que ama Deus e as mulheres, o Coronel, militar de várias patentes, consoante o momento, casa rica, vários amigos, bon vivant, viajado, conhecedor de atores e atrizes estrangeiras, também pai de deputado, dá festas, afinal, com o dinheiro da mulher. Nunca foi militar. Destaca-se também, Celínea, pretensa namorada de Albano, rica, médica, poetisa, prostituta, amante da obra de Schubert, descobre-o também como escritor em Paris onde vai viver, exercendo a sua verdadeira profissão, com “Tête de Vache”, que morre em sua defesa. A mulher do candidato enlouquece e brinca na praia como criança.

Afinal, o candidato… Deixo ao leitor o prazer de o encontrar no último capítulo. Importante: Este romance é preenchido com textos em itálico, como se o leitor, por vezes sem desviar os olhos, escutasse uma poética musical que integra o sentido e a escrita, a performance do romance.

Público em geral

Data
2016-05-03 18:00
Local
Biblioteca Municipal António Botto - Antigo Convento de São Domingos ou Biblioteca Municipal António Botto
Abrantes, Portugal
 
 

Powered by iCagenda

Neste sítio são utilizados cookies de forma a melhorar o desenpenho e a experiência do utilizador. Ao navegar no nosso sítio estará a concordar com a sua utilização. Para saber mais sobre cookies, consulte a nossa politica de privacidade.